Notícias

06/12/2017Cerrado será monitorado por satélite

O ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, anunciou que a partir do próximo ano os números oficiais de desmatamento no Cerrado, assim como ocorre na Amazônia, serão divulgados anualmente. “Esperamos que essa informação possa contribuir para as políticas públicas e sensibilizar a sociedade sobre a importância do bioma e a necessidade de conservá-lo”, afirmou.

O ministro participou, nesta terça-feira (05/12), em Brasília (DF), do painel de abertura do Seminário Nacional do Cerrado, com o tema Como conciliar produção agropecuária com a conservação da sociobiodiversidade. Ele adiantou ainda que está prevista a implantação de um sistema de alerta de detecção de desmatamento via satélite, pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), para apoiar os órgãos ambientais nas açôes de fiscalização.

Segundo dados do ministério, entre 2013 e 2015, o Cerrado perdeu 18,9 mil km2 de vegetação nativa. “É um valor muito alto, preocupante e inaceitável”, afirmou o ministro.  Para conter o avanço, ele sugeriu o uso de recursos do Fundo Amazônia para financiar projetos no Cerrado nos estados que não fazem parte da Amazônia Legal, já que 20% dos recursos podem ser utilizados em sistema de monitoramento e controle do desmatamento em outros biomas.

Ainda seguindo políticas já executadas na Amazônia, o ministro defendeu a necessidade de se estabelecer, no Cerrado, a moratória da soja e um termo de ajustamento de conduta para a carne. “Trata-se de uma necessidade tanto socioambiental como econômica, visto que o mercado internacional tem deixado muito claro que haverá cada vez menos espaço para a agropecuária sem base sustentável”, esclareceu.

A moratória da soja é um pacto ambiental voluntário, firmado entre o setor produtivo, organizaçôes ambientais e governo, que proíbe o comércio, aquisição e financiamento de grãos produzidos em áreas desmatadas de maneira ilegal. Na Amazônia, teve início em 2006, como medida para conter o desmatamento.

FISCALIZAÇÃO

Outras medidas para conter o nível de degradação do bioma envolvem o esforço da pasta de meio ambiente em fortalecer políticas públicas como a fiscalização ambiental, prevenção e controle dos incêndios florestais, monitoramento da cobertura vegetal, implantação de um sistema de controle da origem de produtos florestais e do Cadastro Ambiental Rural (CAR).

A instituição da Política, do Plano e da Comissão Nacional para Recuperação da Vegetação Nativa, Proveg, Planaveg e Conaveg, respectivamente, foram lembradas pelo ministro como açôes com potencial de fomentar o desenvolvimento econômico do Cerrado.

“Além dos benefícios ambientais, as açôes de recuperação da vegetação nativa têm um enorme potencial de fomentar o desenvolvimento econômico, por meio da geração de emprego e renda advinda da cadeia da recuperação, como na produção de mudas e sementes, plantio e manutenção das áreas recuperadas, produção e insumos e oferta de serviços”, completou.

Sarney Filho citou conquistas como a ampliação da área do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros em quase quatro vezes e o lançamento do Programa Plantadores de Rios, destinado a proteger e recuperar nascentes e Áreas de Preservação Permanente de cursos d’água, de forma a combater a crise hídrica.

SEMINÁRIO

O evento é promovido pelo Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM-Amazônia) em parceria com a WWF-Brasil. Também participaram da abertura do seminário, o diretor-executivo do IPAM, André Guimarães; o diretor-executivo do WWF-Brasil, Maurício Volvodic; o presidente-executivo da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), Fábio Trigueirinho; e o assessor sênior do ISPN Donald Sawyer.

A programação seguiu com discussôes sobre importância socioambiental, produção agropecuária, economia e finanças e visão de futuro. Para André Guimarães, do IPAM, o Cerrado é um bioma estratégico e incide diretamente em questôes fundamentais como as mudanças do clima e a oferta de alimentos. “Portanto, precisamos entender que a dicotomia entre conservação e produção não pode existir. O seminário vai impulsionar um processo de discussão equilibrado e harmonioso sobre a questão”, afirmou.

Fonte: MMA

Indique esta página
Poderá também gostar de:
img
Documentário “Frágil Equilíbrio” chega ao Brasil:...
img
Estudo aponta alta contaminação de peixes por...
img
A enzima comedora de plástico que pode...
img
Ibama embarga Porto do Forno em Arraial do Cabo...
img
Três anos de uma rotina sem...
img
Comissão de Meio Ambiente aprova fim de selo de...
img
Falta de serviços para atender venezuelanos em...
img
As ondas de calor do oceano aumentaram mais de...
img
A Corrente do Golfo é a mais fraca em 1.600 anos;...
img
As soluçôes inovadoras para gerar mais e melhores...
img
Chuvas atingem estados do Norte e Nordeste, com...
img
Baleia morre depois de ingerir 29 quilos de...
img
Ibama e Exército apreendem equipamentos para...
img
Ibama multa Anglo American em R$ 72 milhôes por...
img
Cientistas revelam níveis tóxicos de arsênico em...
img
Chapada dos Veadeiros – antes e depois do maior...
img
O uso abusivo dos agrotóxicos e o mal que eles...
img
Por que a falta de fósforo no Universo reduz a...
img
Alunorte nega contaminação ambiental no...
img
Brasil tem, sim, terremotos – e há registro até...
img
Uma empresa de Gana está transformando sacolas...
img
Antártida perde área de gelo equivalente a 1,5...
img
A primeira ponte de aço impressa em 3D do mundo...
img
FAO e Ministério do Meio Ambiente buscam combater...
img
Os Aqua Painéis de zero eletricidade da Uravu...
img
STF: É inconstitucional reduzir área de proteção...
img
USP recebeu 102 notificaçôes sobre tremor sentido...
img
Cientistas alertam para risco de manipular...
img
Google atinge 100% em compensação energética...
img
Sanepar deverá investir mais de R$ 1 bilhão em...
Page 1 of 700
Mais Notícias...