Mundo

14/03/2018Nova guerra do gás entre Ucrânia e Rússia ameaça Europa

 

A nova briga entre a Rússia e Ucrânia por causa de gás está preocupando a União Europeia (UE). Com base na experiência de conflitos semelhantes, em 2006 e 2009, quando o gás deixou de fluir através da Ucrânia, Bruxelas se ofereceu para ajudar na solução da disputa. Há preocupação também em Berlim. “É do interesse da UE, assim como da Rússia e da Ucrânia, que estes dois países se revelem parceiros confiáveis ​​no fornecimento do gás europeu e que a segurança do fornecimento permaneça sem interrupção”, disse o porta-voz do governo alemão, Steffen Seibert.

No final de fevereiro, o tribunal de arbitragem da Câmara de Comércio de Estocolmo determinou que a gigante do gás russa Gazprom pague à companhia ucraniana Naftogaz uma compensação de 2,56 bilhôes de dólares porque a Rússia enviou menos gás através do gasoduto ucraniano do que o acertado contratualmente. As autoridades ucranianas já começaram a confiscar ativos da Gazprom na Ucrânia.

A Gazprom anunciou que recorrerá do veredicto. Antes, o grupo russo havia anunciado a rescisão de todos os contratos com a Naftogaz. O lado ucraniano respondeu que a Gazprom não pode rescindir o fornecimento e o trânsito de gás antes de 2019.

Alemanha não está ameaçada

A Rússia reagiu muito rapidamente à sentença do tribunal de Estocolmo, ameaçando parar o fornecimento de gás, segundo a especialista alemã em energia Claudia Kemfert. “Certamente há também motivos políticos. Mais uma vez, o gás é usado como arma política, algo que já vimos há muitos anos”, lamenta Kemfert.

O analista Jörg Forbrig, do German Marshall Fund of the United States (GMF), enfatiza, nesse contexto, que ninguém está interessado em outro conflito entre a Ucrânia e a Rússia. “A guerra da Rússia contra a Ucrânia ainda não foi resolvida, apesar de todos os esforços da Alemanha. O que Berlim menos precisa agora é que esse conflito se espalhe para o setor de energia e afete diretamente a Europa”, afirma Forbrig.

O gás russo é muito importante para a Alemanha. Mas a maioria do fornecimento para o país não chega através de gasodutos ucranianos. Nos últimos anos, a maior parte do gás consumido na Alemanha foi fornecida pelos gasodutos Nord Stream, do Báltico, e Yamal-Europa, através da Bielorrússia e da Polônia. “A linha através da Ucrânia tem um papel secundário, pelo menos para os consumidores e o mercado alemães”, explica Forbrig.

No ano passado, a Alemanha consumiu um recorde de 53 bilhôes de metros cúbicos de gás russo. O gás russo tem uma participação de 40% da quantidade consumida. Segundo Forbrig, uma parte considerável dessa demanda é coberta também com fornecimentos da Noruega e da Holanda.

Bálcãs

Graças à diversificação do fornecimento de gás e às instalaçôes de armazenamento existentes, uma suspensão do fornecimento vindo através da Ucrânia não atingiria a Alemanha. Conflitos anteriores de gás entre a Ucrânia e a Rússia mostraram que os países dos Bálcãs é que são os mais afetados: Bulgária, Romênia, Sérvia, Bósnia-Herzegovina e Macedônia. “Esses países são quase que completamente abastecidos com o gás russo que é fornecido através da Ucrânia”, diz Forbrig. E esses países não possuem outros meios para obter gás russo.

A Eslováquia também é fortemente dependente do oleoduto ucraniano, de acordo com Forbrig. Mas na Europa Central, as linhas estão agora bem interligadas. “A Eslováquia e também a Áustria podem obter o gás russo ou outro gás de outros lugares da região. Existem formas de compartilhar gás”, diz Forbrig.

Risco para a Gazprom

Especialistas ucranianos estão convencidos de que uma nova guerra de gás entre Kiev e Moscou não causaria nenhum problema para a população da UE. “Apenas cerca de metade do escoamento do gás russo ocorre pela Ucrânia”, afirma o especialista Oleksandr Khartshenko, do Centro de Pesquisa de Energia da Ucrânia.

Ele avalia que outros fornecedores de gás e linhas conectadas poderiam salvar os países da Europa Oriental e do Sudeste Europeu de alguns inconvenientes por alguns meses. “As recentes medidas tomadas pela Gazprom mostraram aos europeus que os esforços deles, realizados desde 2009, para diversificar o fornecimento de gás para a UE não foram em vão”, diz Khartshenko.

Mykhajlo Hontshar, do centro de estudos globais Strategy 21, de Kiev, acredita que as tentativas de se parar o escoamento de gás pela Ucrânia, apesar das obrigaçôes contratuais, só prejudicariam a Gazprom, porque não há alternativas suficientes ao gasoduto ucraniano. Por isso, apesar do desejo de se punir a Naftogaz, não haverá uma nova guerra do gás, afirma o especialista, acrescentando que Moscou sabe que isso prejudicaria a credibilidade da Gazprom como um fornecedor confiável de gás natural perante seus clientes europeus. “E o Ministério da Energia russo também sabe disso”, diz Hontshar.

Fonte: Deutsche Welle

Indique esta página
Poderá também gostar de:
img
Hospital planeja suicídio assistido para crianças...
img
Após ser solto na Turquia, pastor ora por Trump...
img
Ditador da Coreia do Norte é bisneto de...
img
Pastor americano ligado a Trump vê Bolsonaro como...
img
Criança de 5 anos é abusada sexualmente, após...
img
Pastor torturado permanece sob perseguição do...
img
“As crianças não tinham mais medo de ver os...
img
“Todas as naçôes do mundo devem resistir ao...
img
Ateísmo deve ser integrado às aulas de educação...
img
Palestina saúda terroristas como “heróis” e...
img
Cristãos classificam acordo do Vaticano com...
img
Arqueólogos encontram evidências da travessia dos...
img
Jovem indonésio sobrevive 49 dias à deriva no mar...
img
Professor é investigado por ensinar a diferença...
img
Cresce o número de crianças que injetam drogas...
img
Novo jogo de desafios, “ Momo” leva crianças e...
img
Trump irá apresentar “acordo do século”, que...
img
“O Conselho de Direitos Humanos da ONU é uma...
img
Israel se declara um Estado exclusivamente...
img
Estiagem muda paisagens na...
img
Queima indiscriminada de lixo se torna problema...
img
Israel oferece ajuda ao Irã, enquanto a nação...
img
Deputados da Argentina aprovam legalização do...
img
Israel é alvo de mais de um atentado terrorista...
img
“Deus abençoe Jerusalém”, diz premiê de Israel em...
img
No Líbano, cidadãos se organizam para combater as...
img
Turismo libera três vezes mais CO2 no ambiente do...
img
Documentário “Frágil Equilíbrio” chega ao Brasil:...
img
Antártida perde área de gelo equivalente a 1,5...
img
Maioria dos moçambicanos vive em zonas de risco...
Page 1 of 9
Mais Notícias...