Mundo

16/03/2018Maioria dos moçambicanos vive em zonas de risco de desastres naturais

Cerca 60% da população moçambicana vive em zonas de risco de desastres naturais, concluiu um relatório apoiado pelo Programa das Naçôes Unidas para os Assentamentos Humanos (UN-Habitat) apresentado esta terça-feira em Maputo.

Trata-se de zonas propensas ŕ ocorrência de cheias, intempéries e sismos, disse ŕ Lusa Evandro Holz, um dos autores do relatório.

O principal risco envolve os residentes em zonas costeiras ou nas proximidades do leito de rios e lagos, áreas propensas ŕ ocorrência de ciclones e inundaçôes. Outra ameaça consiste no risco sísmico que atravessa o país de norte a sul, segundo o relatório.

O documento, intitulado Perfil do Setor da Habitação em Moçambique, indica que, apesar de existirem estratégias gerais de redução de riscos em planos nacionais, não há políticas específicas de habitação resiliente.

“As autoridades locais, por vezes, não respeitam a definição de zonas disponíveis para construção” e “falta assistência local para práticas de construção resiliente”, refere o relatório, que sugere a saída urgente das populaçôes em zonas de risco. A pesquisa, que durou seis meses, abrangeu todo o país.

O estudo acrescenta que 92% da população não tem um documento de Direito de Uso e Aproveitamento de Terra (DUAT) sobre os terrenos que ocupa, incentivando o mercado informal de venda e compra de terras, o que lesa o Governo em impostos que não são cobrados.

Por outro lado, sem DUAT, os residentes “não têm segurança sobre as suas propriedades”, observou Evandro Holz, acrescentando que os impostos em falta poderiam ajudar o Governo a investir no desenvolvimento habitacional e urbano.

O relatório recomenda a definição de políticas que dinamizem o Fundo para Fomento de Habitação de Moçambique, tutelado pelo Ministério das Obras Públicas, garantindo que haja maior aposta também em infraestruturas sociais em função das necessidades da comunidade.

A atualização das leis de habitação existentes no país é urgente, na medida em que o quadro legislativo vigente na matéria é do tempo colonial, acrescenta-se. Além disso, sugere-se o lançamento de campanhas para a regularização da situação de quem não têm DUAT.

Fonte: Agência Lusa

Indique esta página
Poderá também gostar de:
img
Documentário “Frágil Equilíbrio” chega ao Brasil:...
img
Antártida perde área de gelo equivalente a 1,5...
img
Maioria dos moçambicanos vive em zonas de risco...
img
Nova guerra do gás entre Ucrânia e Rússia ameaça...
img
Os reatores nucleares da Arábia Saudita que geram...
img
Justiça alemã vai decidir na próxima semana sobre...
img
“A fé e a família são o centro de nossas vidas,...
img
Ateus querem impedir realização de estudo bíblico...
img
Proteger meio ambiente é última desculpa da China...
img
Reino Unido e Canadá banem fabricação de...
img
Nova York processa grandes empresas de petróleo...
img
Emissôes de gás carbônico da construção chegaram...
img
Bem-estar e igualdade social são essenciais para...
img
Assembleia da ONU começa a esboçar plano para um...
img
Extremistas islâmicos ameaçam cristãos na África:...
img
“Nós estudávamos a Bíblia escondidos em buracos”,...
img
China irá proibir cristãos de se reunirem para...
img
Ateus se unem para impedir que senador cristão...
img
Mulher presa por sua fé morre na cadeia por maus...
img
Mais de 180 cristãos foram processados, após...
img
Empresa começará a implantar chips em seus...
img
Mais da metade da população mundial não tem...
img
Após anos de dominância, EUA se veem isolados no...
img
Itália ameaça bloquear seus portos diante de onda...
img
Estudante é proibida de agradecer a Deus em...
img
Seca ameaça Etiópia, que sofre com redução de...
img
A China revelou um projeto de trem sem motorista...
img
Cega é curada por Deus durante batismo nas águas;...
img
Remota e desabitada, ilha no Pacífico tem a maior...
img
Ateus tentam derrubar ordem de liberdade...
Page 1 of 8
Mais Notícias...