Mundo

16/03/2018Maioria dos moçambicanos vive em zonas de risco de desastres naturais

Cerca 60% da população moçambicana vive em zonas de risco de desastres naturais, concluiu um relatório apoiado pelo Programa das Naçôes Unidas para os Assentamentos Humanos (UN-Habitat) apresentado esta terça-feira em Maputo.

Trata-se de zonas propensas à ocorrência de cheias, intempéries e sismos, disse à Lusa Evandro Holz, um dos autores do relatório.

O principal risco envolve os residentes em zonas costeiras ou nas proximidades do leito de rios e lagos, áreas propensas à ocorrência de ciclones e inundaçôes. Outra ameaça consiste no risco sísmico que atravessa o país de norte a sul, segundo o relatório.

O documento, intitulado Perfil do Setor da Habitação em Moçambique, indica que, apesar de existirem estratégias gerais de redução de riscos em planos nacionais, não há políticas específicas de habitação resiliente.

“As autoridades locais, por vezes, não respeitam a definição de zonas disponíveis para construção” e “falta assistência local para práticas de construção resiliente”, refere o relatório, que sugere a saída urgente das populaçôes em zonas de risco. A pesquisa, que durou seis meses, abrangeu todo o país.

O estudo acrescenta que 92% da população não tem um documento de Direito de Uso e Aproveitamento de Terra (DUAT) sobre os terrenos que ocupa, incentivando o mercado informal de venda e compra de terras, o que lesa o Governo em impostos que não são cobrados.

Por outro lado, sem DUAT, os residentes “não têm segurança sobre as suas propriedades”, observou Evandro Holz, acrescentando que os impostos em falta poderiam ajudar o Governo a investir no desenvolvimento habitacional e urbano.

O relatório recomenda a definição de políticas que dinamizem o Fundo para Fomento de Habitação de Moçambique, tutelado pelo Ministério das Obras Públicas, garantindo que haja maior aposta também em infraestruturas sociais em função das necessidades da comunidade.

A atualização das leis de habitação existentes no país é urgente, na medida em que o quadro legislativo vigente na matéria é do tempo colonial, acrescenta-se. Além disso, sugere-se o lançamento de campanhas para a regularização da situação de quem não têm DUAT.

Fonte: Agência Lusa

Indique esta página
Poderá também gostar de:
img
Hospital planeja suicídio assistido para crianças...
img
Após ser solto na Turquia, pastor ora por Trump...
img
Ditador da Coreia do Norte é bisneto de...
img
Pastor americano ligado a Trump vê Bolsonaro como...
img
Criança de 5 anos é abusada sexualmente, após...
img
Pastor torturado permanece sob perseguição do...
img
“As crianças não tinham mais medo de ver os...
img
“Todas as naçôes do mundo devem resistir ao...
img
Ateísmo deve ser integrado às aulas de educação...
img
Palestina saúda terroristas como “heróis” e...
img
Cristãos classificam acordo do Vaticano com...
img
Arqueólogos encontram evidências da travessia dos...
img
Jovem indonésio sobrevive 49 dias à deriva no mar...
img
Professor é investigado por ensinar a diferença...
img
Cresce o número de crianças que injetam drogas...
img
Novo jogo de desafios, “ Momo” leva crianças e...
img
Trump irá apresentar “acordo do século”, que...
img
“O Conselho de Direitos Humanos da ONU é uma...
img
Israel se declara um Estado exclusivamente...
img
Estiagem muda paisagens na...
img
Queima indiscriminada de lixo se torna problema...
img
Israel oferece ajuda ao Irã, enquanto a nação...
img
Deputados da Argentina aprovam legalização do...
img
Israel é alvo de mais de um atentado terrorista...
img
“Deus abençoe Jerusalém”, diz premiê de Israel em...
img
No Líbano, cidadãos se organizam para combater as...
img
Turismo libera três vezes mais CO2 no ambiente do...
img
Documentário “Frágil Equilíbrio” chega ao Brasil:...
img
Antártida perde área de gelo equivalente a 1,5...
img
Maioria dos moçambicanos vive em zonas de risco...
Page 1 of 9
Mais Notícias...