Notícias

15/08/2018Três coisas que podemos fazer para evitar que a temperatura da Terra suba além do limite

seca na Austrália é apenas uma das formas pelas quais as pessoas estão experimentando o clima extremo
 
Ondas de calor fizeram a temperatura subir a níveis alarmantes do Japão ao círculo polar ártico. Incêndios florestais varreram a Califórnia e a Grécia. E o Estado mais populoso da Austrália, Nova Gales do Sul, está agora completamente seco.
Para cientistas que estudam o clima, estes acontecimentos são um sinal de alerta da ameaça representada pela mudança climática antropogênica, isto é, produzida pelo homem a partir da liberação massiva de carbono na atmosfera.
 
“Eu acredito que as pessoas estejam associando, de forma correta, sua experiência cotidiana com o aquecimento do planeta”, diz Bill Hare, cientista do clima e cofundador do consórcio científico Climate Analytics.
 
Reduzir o uso de termoelétricas movidas a carvão é um ponto-chave para controlar a mudança climática
 
Um aumento de 2ºC na temperatura global é considerado o máximo que o planeta pode tolerar sem o risco iminente de catástrofes em nossa alimentação, abastecimento de água, biodiversidade ou no nível dos mares.
Na Cúpula do Clima de Paris, realizada no fim do ano passado, líderes de vários países do mundo concordaram em tentar manter o aquecimento global “bem abaixo” deste limite crucial – abaixo de 1,5ºC – o que pode fazer uma grande diferença para populaçôes vivendo em pequenas ilhas ou outras áreas vulneráveis.
Mas o mundo conseguirá manter essa promessa? Eis o que os especialistas dizem ser preciso fazer para cumprir o objetivo.
 
Substituir combustíveis fósseis por renováveis
 
Para limitar o aquecimento do planeta a 1, 5 C° ou menos, cientistas concordam que as emissôes de carbono devem chegar a um pico em 2020, e então declinar rapidamente até zero pela metade do século, ou um pouco depois.
“Se conseguiremos fazer isto, se é viável econômica e tecnicamente, são questôes legítimas de se perguntar. Mas a comunidade científica tem mostrado que é possível sim, e na maioria dos casos, economicamente viável, com grandes benefícios para o desenvolvimento sustentável”, disse Bill Hare à BBC.
Um relatório da Agência Internacional de Energia (IEA) afirma que, se açôes neste sentido forem tomadas cedo o suficiente, 70% das emissôes de carbono podem ser cortadas até 2050. E, até 2060, a economia mundial pode tornar-se livre de carbono.
Uma transição tão grande nas fontes de energia necessitaria de uma “escalada sem precedentes no uso de tecnologias de baixo carbono, em todos os países”, diz o relatório da IEA.
 
O carvão não é apenas poluente - é também perigoso para as pessoas que trabalham com ele
 
A boa notícia é que não só na Europa, mas também na China e na Índia, o carvão está sendo rapidamente substituído na função de combustível para a geração de energia. O uso de energia eólica (do vento) e solar está se tornando mais comum.
De acordo com um artigo de Bill Hare, outra medida importante para diminuir as emissôes seria eletrificar o sistema de transporte. O último carro movido a gasolina precisa sair da concessionária antes de 2035 se quisermos cumprir a meta de limitar o aquecimento global a 1,5 C°, diz o texto de Hare.
Outra contribuição pode vir de casas e escritórios que gerem eletricidade renovável em quantidade suficiente para atender às próprias necessidades.
Mas será que o mundo está caminhando para começar a reduzir suas emissôes de gás carbônico depois de 2020?
“Não está claro ainda”, diz Hare. “Parece que as emissôes de CO2 começaram a crescer novamente e, se isto se confirmar, só vão começar a cair novamente bem depois de 2020. Até o momento, não parece que será possível (cumprir a meta), a não ser que países relevantes comecem a agir”, diz ele.
 
O uso da energia eólica está avançando - inclusive nos países em desenvolvimento
 
Proteger e regenerar as florestas
 
A derrubada das florestas tropicais é responsável por cerca de 20% das emissôes anuais de gases causadores do efeito estufa. Portanto, deter a derrubada de florestas é algo muito relevante para conter as emissôes de carbono.
Um estudo da Universidade de Exeter, no Reino Unido, sugere que regenerar estas florestas é também a melhor forma de recapturar carbono que foi lançado na atmosfera – ajudando, portanto, a segurar o aumento da temperatura.
A líder do estudo é a especialista em ciência do clima Anna Harper. Segundo ela, levantamentos anteriores sugerem que a recuperação das áreas de floresta tropical poderia remover uma ou duas gigatoneladas de carbono da atmosfera por ano. Um número significativo, se levarmos em conta que o total de emissôes atuais é de 10 gigatoneladas por ano.
Cientistas dizem que, mesmo que o mundo zere as emissôes de carbono até a metade deste século, ainda é possível ampliar os esforços com “emissôes negativas”, de forma a atingir os objetivos globais contra o efeito estufa.
Técnicas estão em desenvolvimento para capturar e armazenar carbono em árvores, no subsolo e no leito marinho.
Um artigo publicado por Anna Harper no periódico científico Nature Communications analisou uma destas soluçôes – usinas de bioenergia que capturam e armazenam CO2 – e concluiu que plantar ou reflorestar regiôes de mata ainda é a melhor forma de mitigar os efeitos da mudança climática.
 
Segundo o estudo da Universidade de Exeter, a natureza já criou a forma mais eficiente de retirar carbono da atmosfera
 
“Para atingir os objetivos do acordo de Paris, precisamos tanto reduzir drasticamente as novas emissôes quanto usar um mix de diferentes técnicas para remover carbono da atmosfera”, diz Harper.
“Não existe uma ‘cartada mágica’ que vá resolver todos os problemas”, diz a pesquisadora.
 
Manter os políticos na linha
 
A ciência continuará monitorando a trajetória das emissôes de carbono, de modo a saber se o mundo está ou não no caminho para atingir as metas de controle de temperatura.
Mas uma análise mais cuidadosa das promessas feitas por cada país após o acordo de Paris em 2015 mostra que os esforços ainda estão aquém do necessário.
Em seus relatórios, a IEA estima que as emissôes de carbono feitas pelo setor de energia precisam ficar abaixo de 790 gigatoneladas, de 2015 até 2100, para que a meta de 1,5 C° seja atingida.
Apesar disso, os compromissos atuais dos países permitiriam que este setor, sozinho, lançasse na atmosfera 1,260 gigatoneladas só até 2050.
Isto significa que o eventual sucesso em conter o aumento das temperaturas dependerá de “emissôes negativas” – captura de carbono – e de novas tecnologias e esforços. Ou não acontecerá.
 
"Aquecimento global não é um mito", diz o cartaz exibido num protesto durante o encontro dos países do G20 em Hamburgo, Alemanha, em julho de 2017
 
Os dirigentes dos principais países emissores do mundo se encontram nos eventos do G20 – a reunião das vinte maiores economias do mundo. Os países deste grupo somam 63% da população do mundo e 83% das emissôes.
Estes países – cujas populaçôes são provavelmente mais atentas às questôes ambientais e mais aptas a se manifestar por seus direitos – estabeleceram metas de controle de emissôes.
“Em termos do público em geral, as pessoas estão agora mais atentas à questão da mudança climática. E eu acho que isto está levando a mais pressão sobre os políticos, seus partidos e a indústria, para reduzir as emissôes”, diz Bill Hare.
Mesmo assim, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, retirou os EUA do acordo de Paris. E prometeu trazer de volta à vida o setor de carvão do país.
“A história vai julgá-lo. Todos concordamos, penso eu, que não há catástrofe climática capaz de fazer Donald Trump rever sua posição”, diz o cientista.
Fonte: BBC

Indique esta página
Poderá também gostar de:
img
Brasil precisa reduzir drasticamente consumo de...
img
Em 20 anos, extremos climáticos custaram US$ 3,5...
img
Indianos estão deixando Nova Deli para fugir da...
img
Volkswagen diz que última geração de motores a...
img
Casais que moram juntos antes do casamento têm...
img
Quem mais gera lixo no mundo, e quem mais sofre...
img
Ambientalistas tentam evitar que Belo Monte cause...
img
Pesquisador quer construir muralha para impedir...
img
Três coisas que podemos fazer para evitar que a...
img
Ondas de calor serão mais intensas e já refletem...
img
Com as ondas de calor que Europa passa, temporais...
img
Brasil, o país mais letal para defensores da...
img
Grécia procura respostas para a...
img
Mundo deve ter onda de calor a cada dois anos;...
img
Como indústria da carne contribui para o...
img
Estamos consumindo peixe como nunca, e a conta...
img
Lixo orgânico também pode e deve ser...
img
Em um mistério ambiental, muitos indícios apontam...
img
Cientistas identificam fonte de misteriosas...
img
Gás de “fracking” e a falsa impressão de vantagem...
img
Brasil pôe metas do clima em risco, diz...
img
Governança ambiental brasileira é retrocesso...
img
Monsanto, a gigante agroquímica de produtos...
img
Aquecimento global pode ser muito pior do que o...
img
América Latina é uma das três regiôes do mundo...
img
Empresa canadense desenvolve método que gera...
img
Secas se espalham pelo País e 59% das cidades não...
img
Lixo químico pôe em risco o abastecimento de 12...
img
Sul-coreanos criam oásis de alimentos orgânicos...
img
Poluição do ar já provocou 3,2 milhôes de novos...
Page 1 of 692
Mais Notícias...